Vacinação contra aftosa tem índice final de 99,3% em novembro

Documento oficial com dados da campanha será encaminhado ao Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento (Mapa) na primeira quinzena de janeiro

O Governo de Goiás, por meio da Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa), concluiu nesta terça-feira (29/12) a elaboração do relatório final da campanha de vacinação contra a febre aftosa realizada no mês de novembro. O índice de vacinação chegou a 99,3%. Ao todo foram vacinados 10.264.144 animais bovinos e bubalinos de zero a 24 meses. 

O presidente da Agrodefesa, José Essado, avalia que os resultados são altamente positivos, principalmente pela situação atípica da campanha realizada em meio à pandemia. Conforme diz, o importante é que os pecuaristas compreenderam a importância de manter a sanidade do rebanho, condição que é pré-requisito para a manutenção e ampliação da comercialização da carne produzida em Goiás para os mercados nacional e externo. 

O esforço de todos os envolvidos na cadeia produtiva da carne, entre eles o Governo Estadual, o Serviço Veterinário Oficial, entidades representativas dos produtores, organizações de entidades de profissionais da medicina veterinária e frigoríficos, com apoio do Fundo para o Desenvolvimento da Pecuária em Goiás, é fundamental para os resultados em Goiás. O Estado está há 25 anos sem registro de focos de febre aftosa e tem reconhecimento do status de livre da doença, com vacinação. 

Agora, Goiás caminha para a retirada da vacina, buscando o reconhecimento internacional da Organização Mundial de Saúde Animal (OIE) de área livre sem vacinação. Para tanto, segue as diretrizes do Plano Estratégico do Programa Nacional de Vigilância para a Febre Aftosa (PNEFA), do Ministério da Agricultura. A suspensão estava prevista para 2021, mas foi adiada em função da pandemia do novo coronavírus.

Fiscalização

Os pecuaristas que não vacinaram os animais ou vacinaram, mas não apresentaram declaração ficam bloqueados no Sistema de Defesa Agropecuária de Goiás (Sidago), para movimentação e comercialização dos animais. Além disso, são multados em R$ 7,00 por cabeça não vacinada e em R$ 300,00 por propriedade não declarada. O próprio sistema da Agrodefesa possui o registro das propriedades inadimplentes, que passam a ser fiscalizadas para o cumprimento dos requisitos legais. 

Para regularizar a situação, é preciso requerer a vacinação assistida, que é realizada com acompanhamento da Agrodefesa. Somente após essa providência a propriedade é liberada para movimentação dos animais. Para a vacinação assistida, o produtor deve procurar o escritório local da Agência no município em que fica sua propriedade, para obter autorização para compra da vacina, já que a revenda só pode comercializar o produto mediante autorização da Agrodefesa.

Agência Goiana de Defesa Agropecuária (Agrodefesa) – Governo de Goiás - 3201-3546

Utilizamos cookies essenciais e tecnológicos semelhantes de acordo com a nossa Política de Privacidade e, ao continuar navegando, você concorda com estas condições.